Saudade é oca, vazia, funda e triste Mas preenche, ocupa, alegra e mantem É ausência, limite, barreira e desdém Está ali, presente, sorrateiramente porém Distância infinita que de repente morre Lamento profundo que cessa num instante No encontro, no beijo, na voz No olhar atento e no abraço forte Dualidade ambígua que nos faz querer…Continue Reading “A segunda”